As lições do Senhor do Tempo e o Planejamento de cenários

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
A VPN is an essential component of IT security, whether you’re just starting a business or are already up and running. Most business interactions and transactions happen online and VPN
Ao contrário do que se acredita, Cristóvão Colombo, em sua expedição descobridora às Américas, em 1492, não preferia viajar na nau capitânia, a Santa Maria. Isso porque a embarcação, e também a Pinta, usavam velame retangular, típico dos navegadores quinhentistas. Você se lembra do que aconteceu com a caravela que o governo brasileiro mandou construir para comemorar os 500 anos do descobrimento? Pois é, não navegou. Por quê? Ora, é preciso uma quantidade enorme de pano para as velas. De um tamanho colossal, para darem velocidade ao navio em ventos favoráveis, elas precisam de mastros portentosos e pesados. Imagine então o quão rígida, larga e resistente deveria ser a quilha – a viga que sustenta a estrutura da proa à popa! Esse peso todo tornava os navios daquela época muito lentos. Não é fácil fazer uma caravela!

 

Por isso, Colombo preferia viajar na Niña, que era menor e tinha velas triangulares, típicas dos navegadores fenícios – os melhores comerciantes da Antiguidade -, o que a tornava muito veloz. Por outro lado, sendo mais rápida, a Niña corria riscos maiores: podia emborcar mais facilmente nas tempestades, ou bater em recifes, ou ainda encalhar em bancos de areia. Então, para segurança da tripulação, a Niña trazia sempre a reboque um grande barco a remos unido a ela por uma amarra muito grossa chamada “toa”. Quando havia algum perigo iminente, os marujos desciam para esse barco e remavam até algum local onde ficassem a salvo. Em um dia de forte tempestade, Colombo foi avisado de que a amarra tinha se rompido e que o barco a remo fora perdido. Preocupado com o futuro de sua tripulação, o Comandante reuniu seus homens no convés e lhes disse que estavam “sem a toa”, cunhando assim a expressão “à toa” para designar uma situação na qual não se sabe para onde se vai, em que está a esmo, à mercê da sorte.

 

Quando li essa história, pensei imediatamente nas empresas e em como elas conseguem explicar às pessoas a importância de se ter uma “toa” empresarial, isto é, uma filosofia empresarial que norteie os rumos em direção à sustentação e ao crescimento, com segurança. O precursor da tese de que é indispensável ter uma filosofia empresarial definida e disseminada foi Konosuke Matsushita, o fundador do império empresarial Japonês que detém no Ocidente marcas como Panasonic e National.

 

Em 1932, Matsushita definiu a filosofia empresarial de seu conglomerado e estabeleceu um plano estratégico com horizonte de 75 anos, dividido em 3 estágios de 75 anos. Por causa desse arrojo futurista, o empresário foi apelidado de “O Senhor do Tempo”.

 

O inter-relacionamento dos fatores empresariais básicos – visão, missão, valores e estratégias -, com ênfase na satisfação das necessidades de todas as partes interessadas, orientado por uma “Bússola da Modernidade”. Para ele, assim se constrói um caminho – o Espaço-Dô – seguro à sobrevivência e à prosperidade. A jornada começa com o plano Kendô (esgrima de espadas japonesas), que significa o esforço de ação para se superar o adversário (ou seja, a concorrência). Para isso, antes de mais nada, precisa-se de uma visão clara de onde se quer chegar no futuro e um detalhamento – o planejamento estratégico – de como se vai chegar até lá. Em seguida, é necessário definir os valores que nortearão o comportamento das pessoas, definindo o ethos empresarial. Esse plano Nippon-Tô (espada japonesa) traduz o somatório e agregação do Bushido – o código de honra dos samurais. O plano Wa (equilíbrio) harmoniza as estratégias empresariais com seu guia de conduta, definindo o foco, isto é, a missão da empresa.

 

Na prática, portanto a filosofia empresarial é o texto explicitado da visão de futuro, missão, valores e princípios. Note que a conjugação dos três planos definiu um caminho, o Espaço-Dô. O prisma criado estabelece uma trilha segura rumo ao futuro, garantindo sustentação e crescimento. Matsushita sugeriu que o Espaço-Dô, embora mais delimitado, fosse percorrido com auxílio de uma “Bússola da Modernidade” – um compromisso com a vanguarda tecnológica e altos níveis de desempenho sustentado, gerando melhoria do bem-estar social e da qualidade de vida -. Nos dias de hoje, penso que a “Bússola da Modernidade Empresarial” é representada pelos fundamentos da excelência do Modelo de Excelência da Gestao (MEG) da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ): pensamento sistêmico, atuação em rede, aprendizado organizacional, inovação, agilidade, liderança transformadora, olhar para o futuro, conhecimento sobre clientes e mercados, responsabilidade social, valorização das pessoas e da cultura, decisões fundamentadas, orientação por processos e geração de valor.

 

No extraordinário livro “Feitas para durar”, Jim Collins e Jerry Porras comprovam que Matsushita estava correto. Em sua pesquisa com empresas centenárias de sucesso, eles demonstram que o único fator incomum e comum a todas elas é uma filosofia empresarial consistente, partilhada e vivenciada, que cria uma “comunidade da visão” que concorda em mutuamente se ajudar. Portanto, se você ainda tinha dúvidas sobre a importância de se ter uma filosofia empresarial claramente definida e comunicada, não vacile mais. O exemplo de Konosuke Matsushita é uma admirável lição de vida ao evidenciar que ser uma empresa com responsabilidade ética, moral e institucional é perfeitamente compatível com a disputa, a ação, os riscos, ou seja, com tudo aquilo que se espera do desafio empresarial.

 

Em dezembro, é praxe as principais revistas fazerem uma edição retrospectiva do ano que finda, levantando perspectivas para o próximo ano. Na verdade, com pesquisas bem dirigidas é possível descobrir uma quantidade enorme de informações para elaboração e análise de cenários estratégicos. As questões críticas nesse processo, são o que fazer com todas as informações obtidas para delas extrair cenários úteis à tomada de decisões estratégicas e, isso feito, saber até que ponto se pode agir sobre os cenários definidos de modo a preparar nossas organizações para o futuro que eles nos mostram.

 

Chama-se “Análise Prospectiva” a tentativa de identificar diversos futuros possíveis dentro de um horizonte de tempo específico. O objetivo é estabelecer estratégias capazes de alterar, em favor da organização, as probabilidades de que ocorram fatos sobre os quais a empresa tenha algum controle. No caso de acontecimentos futuros escaparem ao controle da empresa, essas estratégias servirão, pelo menos, para que se possa enfrentá-los melhor ou até mesmo tirar proveito deles.

 

É esta necessidade de avaliar as expectativas que se formam para o ambiente externo, em um futuro próximo ou remoto, que leva os administradores à elaboração de cenários. A palavra cenário vem do latim scaenarium, que significa “local da cena”. Traduzindo para a linguagem dos negócios, vem a ser o próprio ambiente competitivo no qual uma organização atua em busca de sobrevivência e crescimento. Na abordagem do Planejamento Estratégico, o cenário é definido como um conjunto de hipóteses quantitativas e qualitativas sobre características, condições e fatores predominantes no ambiente externo que podem afetar as estratégias de uma organização e, assim, condicionar seus planos de ação, operações e resultados.

 

As organizações de classe mundial, em suas análises de cenários, verificam cuidadosamente aspectos relativos às inovações tecnológicas, necessidades dos clientes, requisitos legais e ambientais, mudanças estratégicas dos concorrentes, anseios da sociedade, ações de política econômica e fiscal, captação de recursos para investimentos, estabelecimento de alianças estratégicas etc. Para a projeção do cenário econômico – normalmente o que tem mais influência nos planos estratégicos – sugiro que você faça uma visita ao site do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) ou da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Lá você vai encontrar ótimas pesquisas conduzidas sob o olhar crítico de especialistas. Se você também quiser inovar e utilizar um software para a análise prospectiva, eu recomendo que entre no site da Brainstorming, em www.brainstormingweb.com.br, e veja como funciona o software CenárioWeb.

 

Na maioria das vezes, não é possível chegar a um consenso sobre um cenário específico único, base para que se possa construir o planejamento estratégico. A causa dessa dificuldade está na diversidade de opiniões a respeito dos temas enfocados, uma decorrência da percepção seletiva dos administradores. Por isso, é comum a utilização do conceito de “cenários alternativos”, que forçam a análise de situações específicas. Na construção de cenários alternativos, os administradores se obrigam a definir e analisar um “cenário otimista” e um “cenário pessimista” em relação a um “cenário provável”. Dessa forma, podem estabelecer o limite inferior e o superior para os resultados que pretendem alcançar. Se o limite inferior for considerado inadmissível, a empresa está diante de um forte alerta.

 

Nesse caso, precisa assegurar-se de que aquele cenário pessimista não ocorrerá. Se não for possível evitá-lo, que ao menos tenha clareza sobre as providências que deverá tomar. Essa técnica, chamada de “Análise de Sensibilidade”, consiste em verificar, entres situações extremas que são consideradas plausíveis, qual é a sensibilidade que uma decisão estratégica apresenta às variações nas premissas básicas. Normalmente, nesse tipo de análise, é praxe dar nomes aos diferentes tipos de cenários, explicitando por esse artifício seus méritos e sua consistência. O roteiro mais comumente usado para se estabelecer uma abordagem articulada sobre o futuro e seus cenários prevê os seguintes passos, conforme recomendam Elaine Marcial e Raul Grumbach em “Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor”, e Adam Kahane em “Planejamento de cenários transformadores: trabalhando juntos para mudar o futuro”:

 

1. Identificar as premissas do modelo vigente em relação às variáveis influenciadoras;
2. Identificar as variáveis do modelo vigente, mantendo-se as premissas já levantadas. Este é o “cenário otimista”;
3. Identificar as variáveis do modelo vigente, derrubando-se as premissas levantadas;
4. Projetar o novo modelo que surgiria se fossem eliminadas as premissas do modelo vigente. Este é o “cenário pessimista”;
5. Projetar as variáveis do novo modelo. Este é o “cenário provável”;
6. Rever o grau de possibilidade das variáveis projetadas para o novo modelo, confirmando ou rejeitando o cenário construído;
7. Fazer um “Plano A” para o “cenário provável”; um “Plano B” para o “cenário pessimista”; um “Plano C” para o “cenário otimista”;
8. Criar uma rotina sistemática de releitura dos cenários elaborados de adequação das variáveis à realidade, flexibilizando os planos de ação a cada análise, se necessário.

 

Para a construção eficaz de cenários, é recomendável construir e manter sistemas sensoriais e de inteligência competitiva para monitoramento permanente das influências externas. Outras providências fundamentais são: cultivar um senso de urgência para o aproveitamento das oportunidades e identificar, com antecedência, os sinais da chegada de novas mudanças (o que só será possível se houver pesquisa sistemática); prover mecanismos de implementação de novas ideias e abandonar (sem culpa) as obsoletas; evitar a negação das novas ideias que surgem para que seus produtos e serviços não virem commodities que ameacem sua auto- sustentabilidade; conscientizar-se de que os profissionais de hoje precisam ter capacidade de análise crítica, ainda que isso signifique questionamentos e posicionamentos que os líderes mais conservadores não querem nem sabem enfrentar; valorizar ao máximo a capacitação continuada; cuidar das questões éticas e ecológicas; cultivar relacionamentos para formação de redes de colaboração.

 

Sempre teremos surpresas pela frente, é claro. Mas se você agir proativamente na construção de seus cenários, mesmo que incertos, vai se sentir mais seguro. Acredite: muitas dessas surpresas podem ser previstas e, portanto, é possível lidar com elas e com o futuro.
 
Por Jerônimo Lima – CEO da Mettodo Reflexão Estratégica