Transformação digital na indústria

Transformação digital na indústria: como planejar?

Não precisamos ir muito longe para perceber que, grande parte da tecnologia presente em nossa rotina hoje em dia não existia há algumas décadas. Seja na sociedade ou no ambiente empresarial, os avanços da tecnologia e a transformação digital mudaram a forma como nos relacionamos com o mundo. E para as indústrias se manterem competitivas no mercado, é necessário acompanhar essa mudança. 

A indústria 4.0 chegou para revolucionar a forma de produzir, vender, comunicar e fazer negócio. Mas por mais sedutora que ela pareça, nem sempre é fácil colocá-la em prática dentro de uma empresa. O motivo? Você provavelmente sabe qual é: a falta de planejamento estratégico

Portanto, para ajudar você a pensar a transformação digital na indústria de forma efetiva, preparamos este guia. Nele, você vai conhecer:

  • As revoluções industriais;
  • O que é transformação digital;
  • Como planejar a transformação digital na indústria. 

Continue a leitura para saber mais! 

As revoluções industriais

Antes de mais nada, para entendermos como chegamos até aqui, é preciso voltar ao passado. Como qualquer mudança, a transformação digital faz parte de uma evolução que se deu em diversos períodos da história e revolucionou a nossa sociedade. Estamos falando das revoluções industriais!

Tudo começou na Inglaterra do século XVIII, com a utilização das máquinas a vapor na produção têxtil. Pode parecer uma simples mudança no processo produtivo, mas ela impactou a economia, fomentou o crescimento de grandes cidades devido a necessidade de mão de obra nas fábricas, proporcionou a construção de ferrovias e até mesmo avanços na comunicação para divulgação dos produtos. Tudo isso ficou conhecido como a primeira revolução industrial

Quase um século depois, mais precisamente na segunda metade do século XIX, o mundo viveria sua segunda revolução industrial. Com grandes avanços tecnológicos em indústrias de setores químico, elétrico e metalúrgico, surgiram inovações como a eletricidade, os automóveis, entre outros. 

Por fim, logo após o término da Segunda Guerra Mundial, veio a terceira revolução industrial. Chamada de revolução informacional, ficou conhecida pelo uso de tecnologias como robótica, genética e informática para otimizar os processos de produção industrial. Aqui, começamos a ver os primeiros traços de automatização que serão primordiais para chegarmos na quarta revolução industrial: a indústria 4.0. 

Em resumo, é importante perceber como em cada um desses momentos, tanto a sociedade como as empresas precisaram se adaptar para acompanhar as mudanças. E dentro do cenário atual das empresas, abraçar a transformação digital na indústria não é um diferencial, é uma necessidade. Isso se você quer continuar vivo no mercado, é claro. 

O que é transformação digital 

Logo após a terceira revolução industrial, veio a indústria 4.0. O conceito foi desenvolvido pelo alemão Klaus Schwab, que fundou o Fórum Econômico Mundial, e hoje é discutido em diversas áreas. Mas para ele, chegamos em uma etapa da industrialização que irá mudar a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Não é apenas uma mudança estrutural ou tecnológica, é uma mudança de paradigma. 

No entanto, vale ressaltar que a transformação digital faz parte de um progresso tecnológico que passou por duas etapas: a digitação e a digitalização, ambas partes da transição de processos analógicos para digitais. Sendo a primeira, o processo de transição da informação analógica para um formato digital. E a segunda, definida como uma visão mais aprofundada para que as mudanças tecnológicas de fato ocorram, envolvendo questões como big data, blockchain e outras inovações. 

Robôs trabalhando no processo de produção de uma indústria

Como resultado, em termos de processos industriais, a transformação digital na indústria irá utilizar todas as tecnologias da terceira revolução industrial para tornar a produção automatizada, com sistemas que unem processos digitais às máquinas de forma inteligente. Internet das coisas, machine e deep learning, chatbots, impressão 3D, nanotecnologia e inteligência artificial são algumas das muitas inovações que podem e irão fazer parte da transformação digital na indústria. 

Porém, como Klaus Schwab fala, não é apenas uma mudança tecnológica, é uma mudança de pensamento. A tecnologia veio para ficar e as indústrias precisam encontrar as melhores formas de abrir seus processos para essas mudanças e aproveitar seus benefícios, que podem ser: 

  • melhoria nos processos internos e de produção;
  • aumento da produtividade;
  • bem-estar dos colaboradores;
  • diminuição dos erros; 
  • maior aproveitamento de dados e informações;
  • automatização de processos; 
  • redução de custos; 
  • fomento da inovação.

Nesse sentido, é possível perceber que a transformação digital na indústria é uma mudança cultural. Mudar processos é fácil, mas mudar a cultura de uma empresa requer muito mais esforço e planejamento. E é sobre isso que vamos falar a seguir. 

Como planejar a transformação digital na indústria

Em resumo, a transformação digital na indústria deve ser encarada como um projeto qualquer. Para isso, você precisa entender as etapas do processo, quais as informações e ferramentas necessárias, e como acompanhar as ações. Confira abaixo! 

1. Analise o cenário atual da sua indústria

Sem dúvida, investir em transformação digital na indústria é uma decisão que precisa ser colocada em prática com plena consciência do cenário atual da empresa. Por ser uma mudança que irá impactar não apenas processos, mas também a cultura da empresa, é importante entender qual o grau de maturidade atual. 

Dessa forma, aplicar uma Análise SWOT para entender quais os pontos fracos e fortes, as ameaças e oportunidades dessa mudança é o primeiro passo. Seja sincero com a capacidade da sua indústria de abraçar essa transformação, para assim, evitar surpresas no caminho. 

Afinal, ter consciência do cenário atual é fundamental para traçar objetivos concretos e construir um plano de ação estratégico, que irá levar em conta não apenas as deficiências, mas também os diferenciais da empresa. 

Bônus: Saiba como utilizar a Matriz SWOT para fazer a análise de cenários internos e externos da sua indústria.

2. Defina seus objetivos

Logo após entender o cenário atual da sua indústria, é hora de definir quais os objetivos para a implantação da transformação digital. Para isso, é importante analisar cada setor que compõe sua empresa e listar como a mudança pode impactar cada um deles. 

Alguns exemplos de perguntas que podem ajudar no processo:

  • quais processos internos podem ser automatizados com o uso de softwares? 
  • é possível utilizar impressão 3D no processo produtivo?
  • consigo melhorar meu atendimento ao cliente com o uso de inteligência artificial? 
  • quais tecnologias posso usar no setor de logística para melhorar o tempo de entrega?
  • como utilizar big data e machine learning para identificar tendências?
  • consigo cruzar informações de diversos softwares para identificar gaps no meu processo?

É claro que cada empresa tem suas particularidades, leve isso em consideração. Mas o objetivo aqui é pensar nesses questionamentos relevantes e, a partir daí, identificar quais projetos precisam ser colocados em prática para implantar a indústria 4.0. Feito isso, fica mais fácil entender por onde começar e qual caminho seguir. 

Dica Scopi: lembre-se que o objetivo da sua empresa é entregar o melhor produto para o seu cliente, aquele que irá solucionar seus problemas. Por isso, quando for definir os objetivos, não pense apenas em como a transformação digital irá beneficiar sua indústria, mas também em como ela irá ajudar a melhorar a vida do seu cliente. 

3. Reestruture seus processos internos

Mudar a operação da sua indústria não será possível sem a reestruturação de processos internos. Para abraçar a transformação digital na indústria, é preciso deixar de lado formas antigas de produzir, vender ou se comunicar.

Apesar das indústrias possuírem um grande domínio e facilidade para gerenciar processos ou mensurar a qualidade de seus produtos, por exemplo, ainda assim não é fácil reestruturar a forma como elas executam suas ações. Indústrias costumam ter processos engessados e isso atrapalha a inovação. Lembre-se: a indústria 4.0 não é apenas uma mudança estrutural, é uma mudança de pensamento. Desapegue-se de tudo que foi feito até aqui. 

Equipe reestruturando processos

Portanto, comece listando todos os processos internos que fazem a sua indústria funcionar. Onde eles começam e terminam, quais os setores envolvidos, quais os resultados esperados e o objetivo final de cada processo. Logo após, entenda onde a tecnologia pode entrar para otimizar essas atividades, dando mais velocidade e assertividade a elas. 

Outro ponto importante é envolver as pessoas que executam esses processos na reestruturação. Afinal, são eles que colocam a mão na massa e saberão dizer o que precisa ser melhorado, oferecendo os melhores insights. 

4. Capacite seus times

Assim como a sua empresa pode não ter a estrutura necessária para a transformação digital, seus colaboradores podem não estar preparados para lidar com ela. Porém, isso não é motivo para você investir na renovação do seu capital pessoal, mas sim na capacitação deles

Só pra exemplificar, seus colaboradores já conhecem a sua empresa, sua missão, visão e valores e entendem do seu produto como ninguém. Agora pense, o que é mais fácil: qualificá-los para estarem prontos para as mudanças na cultura e no processo da sua empresa ou contratar novos funcionários que entendem de transformação digital mas não sabem nada da sua empresa? A resposta parece meio óbvia, não é mesmo?!

Sendo assim, mapeie todos os setores que serão impactados pelas mudanças processuais e terão maior contato com as inovações propostas. Incentive e colabore com a sua qualificação, já que ambos sairão ganhando com isso. Além disso, aproveite que a tecnologia facilitou até mesmo a forma como estudamos e nos qualificados, e invista em cursos, palestras e conferências online para acelerar o processo

5. Planeje a transição

Como reforçamos em vários momentos neste artigo, a transformação digital na indústria é uma mudança que vai além do processo e muda a cultura da empresa. Imagine você estar há anos trabalhando de uma forma e de repente tudo muda? A recepção não vai ser dar melhores, acredite. 

Por isso é importante planejar a transição de forma estratégica, para que a ideia seja adotada por todos da empresa. Tenha um time de líderes para todos os setores que irão ajudar a motivar os colaboradores, dê a assistência e as ferramentas necessárias, compreenda as dificuldades e o principal: esteja aberto a tudo que pode acontecer daqui pra frente. 

Invista também em um cronograma, onde você pode optar por começar a mudanças por setores específicos e ir evoluindo aos poucos. Se preferir dessa forma, você ainda pode utilizar os resultados de cada etapa para motivar os envolvidos na próxima. É dando o exemplo que conquistamos todos! 

6. Acompanhe e mensure a implantação

Por fim, defina como você vai acompanhar e mensurar a implantação. Afinal, de nada adianta você ter todo um cuidado em planejar a transformação digital na sua indústria se você não souber se ela está, de fato, acontecendo

Estruture KPIs para cada setor, defina metas e crie um calendário de reuniões periódicas para avaliação. Assim, você pode acompanhar tudo e ainda propor melhorias enquanto os processos estão sendo reestruturados e as inovações implantadas. 

Automatizar esse processo também pode ser importante. Softwares de planejamento estratégico como o Scopi, possuem uma seção de Indicadores de Desempenho onde é possível cadastrar os seus de forma customizáveis e acompanhar através de relatórios e gráficos. 

Em contrapartida, utilize as informações dos relatórios para entender como está sendo a transição da sua indústria e encontrar formas de melhorar, facilitar e potencializar a transformação digital. 

Ao longo do artigo, foi possível entender como a transformação digital na indústria é fundamental para sua competitividade. Adaptar-se às mudanças da sociedade é o que mantém as empresas vivas, não apenas no mercado, mas na mente dos consumidores. 

E apesar de não ser uma mudança fácil, com as ferramentas certas e o mindset aberto, aos poucos a transformação acontece.